Palavras chave

Evolução, comunicação evolutiva, cultural, transmissão cultural, desenvolvimento cultural

Resumo

Quer seja reunidos em volta de uma fogueira, assistindo TV ou sentados enfrente a tela do computador, as pressões da seleção natural darwiniana forçaram aos indivíduos a manter os padrões fechados de interdependência, os que por sua vez foram estruturados mediante laços comunicacionais. Este habito de compartilhar de nossa espécie pode ser analisado desde uma perspectiva mais ampla e, eventualmente, fomentar uma maior harmonia para toda a Humanidade? Os autores sustentam que a resposta para essa pergunta é afirmativa. A cultura proporciona o espaço necessário para a negociação e mudanças sociais, e a habilidade de comunicação avança e é o meio pelo qual este trabalho cultural necessário se obtém perpetuamente. Uma compreensão não determinista da cultura deve ser reconhecida desde o principio. A vida cultural difere muito das condições biológicas; mesmo pelas circunstancias repressivas, a cultura não evolui da mesma maneira que as infecções virais devastam um corpo biológico ou os computadores. Assim os avanços tecnológicos na comunicação simplesmente não reforçam e intensificam verticalmente as mensagens culturais dominantes, como sustentam as teorias do imperialismo, a trasmissao mimética ou o contagio social. O desenvolvimento cultural, durante os passados dez mil anos, foi particularmente rápido, comparado com qualquer outro lapso desde que os hominídeos se separaram de nossos comuns ancestrais com os chipanzés, faz milhões de anos. A habilidade única de nossa espécie comunicadora, no ambiente tecnológico dinâmico e cultural atual, é uma esperança real para recuperar as afinidades primordiais que unem os seres humanos.

Referências

Aunger, R. (2002). The Electric Meme. New York: Free Press.

Link Google Scholar

Blackmore, S. (1999). The Meme Machine. Oxford: Oxford University Press.

Link Google Scholar

Christakis, N. & Fowler, J. (2009). Connected. New York: Little Brown and Company.

Link Google Scholar

Darwin, C. (1859/1979). The Origin of Species. New York: Random House.

Link Google Scholar

Darwin, C. (1871/1981). The Descent of Man. Princeton: Princeton University Press.

Link Google Scholar

Dawkins, R. (1989). The Selfish Gene. Oxford: Oxford University Press.

Link Google Scholar

Dawkins, R. (2006a). The God Delusion. New York: Houghton Mifflin.

Link Google Scholar

Dawkins, R. (2006b). Afterword. Presented to London School of Economics and Political Science. March 16.

Link Google Scholar

Dennett, D. (1995). Darwin’s Dangerous Idea. Evolution and the Meaning of Life. New York: Simon & Schuster.

Link Google Scholar

Dennett, D. (2006). Breaking the Spell. New York: Penguin.

Link Google Scholar

Dennett, D. (2009). Darwin and the Evolution of «Why». Address Given to Darwin Anniversary Festival, Cambridge, UK. July 8.

Link Google Scholar

Distin, K. (2005). The Selfish Meme. Cambridge, UK: Cambridge University Press.

Link Google Scholar

Geertz, C. (1973). The Interpretation of Cultures. New York: Basic Books.

Link Google Scholar

Harpending, H. (2009). The 10,000 Year Explosion. New York: Basic Books.

Link Google Scholar

Hull, D.L. (1988). Science as a Process. Chicago: University of Chicago Press.

Link Google Scholar

Johanson, D. & Edgar, B. (2006). From Lucy to Language. New York: Simon and Schuster.

Link Google Scholar

Liberty in Today’s Diverse World. New York: Oxford University Press.

Link Google Scholar

Lull, J. (2007). Culture-on-Demand. Oxford, UK: Blackwell Publishing.

Link DOI | Link Google Scholar

Maynard Smith, J. & Szathmáry, E. (1995). The Major Transitions in Evolution. Oxford: W.H. Freeman/Spektrum.

Link Google Scholar

Pinker, S. & Bloom, P. (1990). Natural Language and Natural Selection. Behavioral and Brain Science, 13; 707-784.

Link Google Scholar

Pinker, S. (2009). My Genome, my Self. The New York Times Magazine, January 11; 26-30.

Link Google Scholar

Richerson, P.J. & Boyd, R. (2005). Not by Genes Alone. Chicago: Chicago University Press.

Link Google Scholar

United Nations Development Programme (2004). Human Development Report: Cultural

Link Google Scholar

Wade, N. (2006). Before the Dawn. New York: Penguin.

Link Google Scholar

Fundref

Este trabalho não tem nenhum apoio financeiro

Crossmark

Technical information

Métricas

Métricas deste artigo

Vistas: 21810

Leituras dos resumos: 17426

Descargas em PDF: 4384

Métricas completas do Comunicar 36

Vistas: 550589

Leituras dos resumos: 427157

Descargas em PDF: 123432

Citado por

Citas em Web of Science

Dafonte-Gomez, Alberto. The Key Elements of Viral Advertising. From Motivation to Emotion in the Most Shared Videos COMUNICAR, 2014.

https://doi.org/10.3916/C43-2014-20

Romero de Vara; Laura;. The i-memes as a means of citizen participation in diplomatic relations based on a case study: #FORGIVESPAIN CIC-CUADERNOS DE INFORMACION Y COMUNICACION , 2020.

https://doi.org/10.5209/ciyc.65872

Citas em Scopus

Dafonte-Gómez, A.. The key elements of viral advertising. From motivation to emotion in the most shared videos), Comunicar, .

https://doi.org/10.3916/C43-2014-20

Citas em Google Scholar

Actualmente não há citações a este documento

Baixar

Métricas alternativas

Como citar

Lull, J., & Neiva, E. (2011). Communicating culture: An evolutionary explanation. [Hacia una nueva conceptualización evolutiva de la comunicación «cultural»]. Comunicar, 36, 25-34. https://doi.org/10.3916/C36-2011-02-02

Compartilhar

           

Caixa Postal 527

21080 Huelva (Espanha)

Administração

Redação

Creative Commons

Este site usa cookies para obter dados estatísticos sobre a navegação de seus usuários. Se você continuar navegando, consideramos que você aceita seu uso. +info X